aspas

(imagem: Casal, de Ismael Nery)
como um laço

um pacto
uma brisa
sutil
e devastadora
como nada está unido sem que haja [espaço…entre]
como :dois: poros
-porões e sínteses-
como o marrom mais marrom na pele, rabiscando a pinta que tenho na mão
como a mão não prescinde dos dedos
como os dedos, independentes mesmo quando entrelaçados
como laços:
lagoas e lagos jamais entenderão
o que rios e oceanos repetem:
o amor é cru
nu
cotidiano
Bookmark and Share

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

  1. Beatriz, estou adorando esse seu espaço. Lindo poema. Agora que te encontrei, vou te seguir para não te perder mais 😉

    Beijo

    Curtir

!Inquiete-se!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s