Quando Elas Despertam

(Imagem de Ismael Nery) Procura guardá-las, Poeta, por poucas que sejam de guardar, do teu amar as visões. Coloca-as no meio ocultas nas tuas frases. Procura detê-las, Poeta, quando em tua cabeça elas despertam, de noite ou na luz crua do meio-dia. KONSTANDINOS KAVAFIS tradução de Jorge de Sena

Rio

“Para onde quero ir? Confidencialmente vou dizer-te. Ainda preciso ficar aqui por umas duas semanas; em seguida, eis do que me convenci, desejo visitar as minas de… Mas, no fundo, não é nada disso. Apenas quero estar novamente mais perto de Carlota, isso é tudo. Rio-me do meu coração – e faço o que ele…

Lançamento duplo de livros amanhã, na eterna Casa das Rosas

Ai, meus Deuses: é amanhã! (clique na imagem para ampliá-la) LANÇAMENTO DUPLO!Nós que Adoramos um Documentário, de Ana Rüsche, Ed. Ourivesaria da Palavra, poesiaPré-Datados, de Fábio Aristimunho Vargas, Lumme Editor, poesia16h | COMENTÁRIO SOBRE OS LIVROSApresentação: Beatriz Galvão (euzinha)– Renan Nuernberger– Silvana PessoaLEITURA DE POEMAS– Andréa Catropa– Berimba de Jesus– Dirceu Villa– Maiara Gouveia– Paulo…

Peregrinando por GG Márquez

“… O esforço de escrever um conto curto é tão intenso como o de começar um romance. Pois no primeiro parágrafo de um romance é preciso definir tudo: estrutura, tom, estilo, ritmo, longitude e, às vezes, até o caráter de algum personagem. O resto é o prazer de escrever, o mais íntimo e solitário que…

Oficina literária com João Silvério Trevisan

Depois de 23 anos coordenando oficinas literárias em inúmeros espaços de São Paulo e outros Estados, Trevisan decidiu organizar sua própria oficina. Nela, cada participante estipulará seu prazo de permanência. Quem quiser, pode ficar 4 meses (mínimo aconselhável) ou continuar até quando julgar conveniente. Processo: o Núcleo manterá duas oficinas em andamento, com eventuais intervalos…

árias de outono

sê tembro ali. out ton all aqui folhas [in the middle] brancas des pen cam sssss sou lit árias no 4o dormir? solidão

TAO olhar

  o corpo pede: um pouco mais de alma calma a alma pede: um pouco mais de corpo sofro o corpo sangra a alma perde tão rara luz   é tempo de viver vê? perder o olhar perder-te(r) perceber-se(r)   para um pouco escuta a voz a voz a voz do corpo na alma da…